Chile: conhecendo a vinícola In Situ e Portillo no mesmo passeio

por Rosi Guimarães

Que o Chile é um país incrível, todos já sabem. Não canso de repetir isso aqui no blog. Eu, uma mineira que mudou de mala e cuia para essas terras andinas, vejo que uma das vantagens de morar na capital chilena é, em uma hora poder estar numa montanha, na praia, ou numa charmosa vinícola conhecendo o processo de produção do vinho chileno.

Agora, imagina ter a oportunidade de conhecer uma vinícola do Vale de Aconcágua e visitar Portillo no mesmo dia? Essa é a proposta da agência Indo pro Chile, como sempre, oferecendo passeios fora do comum como este para a vinícola San Esteban (In Situ) e Portillo com Laguna del Inca.

O dia começa cedinho. Às 8h30 da manhã, a Indo pro Chile passou na porta da minha  casa. E lá fomos nós em direção à região norte – ruta Los Andes. Paisagem seca, árida, mas muito bonita, onde a Cordilheira dos Andes está sempre em destaque.

Nossa primeira parada foi no monumento dedicado à Batalha de Chacabuco, a mais importante para a Independência do Chile. Aproveitamos para tirar fotos pois o lugar é bem bonito.

Depois, seguimos estrada em direção ao Vale de Aconcágua, na pequena cidade de Los Andes, onde está a charmosa vinícola San Esteban (In Situ).  

 

Como é o tour e degustaão na  vinícola In situ

A vinícola não é tão pequena, produz cerca de três milhões de garrafas ao ano, mas é pouco visitada. Nesse tour, tinham apenas três pessoas no nosso grupo. Fundada por José Vicente, produtor de uva, e seu filho Horácio, enólogo. A vinícola está na terceira geração da família. Localizada aos pés da cordilheira e na lateral do rio Aconcágua, são 150 hectares de vinhedo, com mais de dez variedades de uvas plantadas.

Tivemos sorte! O dia estava lindo e com céu azul. O guia Israel explicou um pouco sobre a produção dos vinhos brancos e tintos,mostrou o vinhedo de uvas de mesa (Red Glob e Thompson).  e contou que o Parque Arqueológico Cerro Paidahuén, que é um monumento nacional, fica dentro da propriedade. No local, é possível ver misteriosos desenhos de épocas passadas feitos nas rochas. Infelizmente, por falta de tempo, não chegamos até lá, mas é aberto a visitação e mantido pela vinícola.

A vinícola tem sete marcas diferentes de vinhos e 98% da produção é exportada para vinte países, dentre eles, Estados Unidos, Ásia, Coréia e Japão. Por isso, é difícil ou quase impossível ver esses vinhos nos supermercados de Santiago.

A composição do nome da vinícola com a expressão in situ surgiu porque ela era muito usada pelos geólogos e arqueólogos que estudavam o local. O proprietário gostou e acabou utilizando em uma linha de vinhos. Essa logomarca é um dos desenhos que podem ser vistos nas rochas.

A vantagem de visitar vinícolas com grupos pequenos é que fica mais fácil tirar as dúvidas e entender realmente o processo de produção. O guia percorreu todos os espaços, passando pela sala de barricas, fermentação, até a sala nova de engarrafamento, e mostrou as máquinas que colocam as rolhas e as etiquetas

E é chegada a melhor hora: degustação! Provamos quatro vinhos. Primeiro um Chardonnay, seguido de um Carménère, Cabernet Sauvignon e um rosé Torantel, mais docinho. Todos de excelente qualidade.

Na loja da vinícola, os vinhos estão disponíveis para venda. É lógico que eu comprei.  Tinha também artesanato e produtos típicos da região. Uma graça, a lojinha. Ótima oportunidade para levar algo bem característico dessa região para o Brasil. Comprei também o azeite de palta (abacate).

Portillo e a Laguna del Inca

Depois de conhecer o processo de produção do vinho, degustar e comprar, pegamos estrada para Portillo – a estação de esqui mais antiga da América do Sul, no caminho para Mendoza – Argentina. Como era verão, nada de neve ainda, mas mesmo assim vale a visita.

A estrada é linda e cercada por montanhas. Passamos por Los Caracoles, uma sucessão de trinta curvas para chegar até Portillo. É preciso ter muito cuidado e atenção, trecho bem perigoso e cheio de caminhões.

Mesmo no verão, é importante levar agasalho Na cordilheira é sempre mais frio e com muito vento. Como o grupo era pequeno, paramos nos melhores lugares para tirar lindas fotos. A paisagem é realmente perfeita!

Quando chegamos em Portillo, o tempo estava fechado, com muito vento e frio. A Laguna del Inca não estava tão azul turquesa, como eu já vi antes, mas mesmo assim tinha sua beleza.

Diz a lenda que os ruídos que se escutam durante a noite na lagoa são os lamentos do inca Illi Yunqui por sua amada Princesa Kora-llé. Ela teria sido enterrada na lagoa depois de despencar de um penhasco. E desde então a água se tingiu com a cor esmeralda dos olhos da princesa. Em algumas épocas do ano, a água fica realmente da cor de esmeralda.

Portillo tem opção de almoço. O guia nos deixou bem à vontade para escolher onde comer. Optamos por uma empanada na estrada na volta e estava muito boa.

Aproveitamos para chegar até a fronteira para Mendoza, apenas cinco minutos de Portillo. E na volta, paramos para fotografar as curvas Los Caracoles. Voltamos para Santiago curtindo a beleza da estrada.

Fiz o passeio com a Indo pro Chile, uma das agências parceiras do blog. Atendimento super exclusivo com grupos pequenos de até sete pessoas. É possível fazer esse tour o ano todo, porém, no inverno, depende das condições da estrada que pode fechar devido à neve. Para fazer um orçcamento é só clicar aqui. 

Texto revisado por Bárbara Mussili, criadora do blog Refúgio Ameno

Planeje sua viagem com a gente!

Fazendo suas reservas aqui pelos links do blog você não paga nada a mais por isso, e ainda ajuda na manutenção da nossa página. Nossos parceiros foram escolhidos a dedo. Então não custa nada ajudar a gente.

Posts Relacionados

4 comentários

Marta Cristina B. Araújo 2 de julho de 2019 - 21:11

Oi Rosi, boa noite!! Tenho acompanhado suas dicas aqui no blog. Muito,muito legais! Parabéns!! Estou indo para o Chile agora no dia 22/07/19 num grupo familiar de 9 pessoas, 6 adultos e 3 adolescentes 12,14, e 15 anos. Nossa ideia é conhecer Valle Nevado e Farellone. Você acha interessante conhecermos os 2 no mesmo dia? Quanto a vinícola, adorei as dicas, mas estou em dúvida, pois do grupo de adultos, só eu e meu marido apreciamos vinho. Acredito que vou acabar indo na Concha y Toro mesmo…kkkk. Obrigada Rosi e se puder comentar algo, agradeço!

Reply
Rosi Guimarães 4 de julho de 2019 - 10:00

Oi Marta,
como somente duas pessoas curtem vinho realmente não vale investir muito no passeio. Farellones para curtir bem o parque vale ficar o dia todo. Fica corrido conhecer Farellones e Valle no mesmo dia. Sugiro ir a Farellones e depois decidem se querem ir ao Valle.
Um abraço!

Reply
VERA LUCIA RODRIGUES 3 de abril de 2019 - 23:26

Rose boa noite! Sensacional suas dicas. Eu mais três amigas iremos para o Chile entre 22/5 e 5/6/19. Sabe me dizer se vai ter algum acontecimento ou festa nesse período em Santiago? Vi que antes disse tem a festa da uva …

Reply
Rosi Guimarães 8 de abril de 2019 - 10:29

Oi Vera Lúcia.
A gente sempre divulga uma agenda mensal de eventos, e de maio vai sair no final de abril. Você pode ficar de olho nesse link https://nosnochile.com.br/categorias/museus-e-cultura/programacao-cultural/
Um abraço!

Reply

Gostou? Deixe aqui seu comentário