Pérez Cruz: uma vinícola para descobrir o segredo do vinho chileno

Mais um carimbo para o meu passaporte de vinícolas chilenas. Dessa vez, fui conhecer a Pérez Cruz na companhia da minha amiga Bárbara e tenho a impressão que estou começando a desvendar o segredo dos vinhos chilenos…

A Pérez Cruz fica pertinho, cerca de uma hora de Santiago, e o ideal é ir de carro ou contratar um transporte. Está localizada no Valle del Maipo, conhecido pela produção de vinhos tintos e um dos maiores vales viticultores do Chile.

Fundada em 2001, a vinícola é familiar e considerada relativamente pequena aqui no Chile. Produz cerca de 720 mil litros por ano. Porém, impressiona por sua grande estrutura projetada em forma de barril pelo arquiteto chileno José Cruz Ovalle .

O tour

Assim que chegamos fomos recebidos pela gerente de marketing e turismo Maria José e pelo Alejandro Peralta, gerente de produtos da vinícola. Eles nos deram as boas-vindas e explicaram que as visitas são organizadas em grupos pequenos com o objetivo de dar mais atenção e proporcionar uma experiência mais personalizada ao visitante.

Em seguida, fomos apresentadas à nossa simpática guia, também chamada Maria José e partimos com ela para o nosso tour percorrendo a área externa. Logo no começo, notamos a movimentação da vinícola em plena produção já que estamos no período da colheita das uvas.

Para mim, essa é a melhor época para visitar uma vinícola, quando é possível acompanhar todas as etapas da elaboração do vinho. Uma curiosidade é que uma vinícola fica totalmente ativa por apenas 2 meses por ano. No restante do período, os vinhos ficam em guarda e os vinhedos são podados para que voltem a brotar na primavera.

A Pérez Cruz se dedica exclusivamente à produção de vinhos tintos e a Maria José nos explicou que eles fazem o que se chama de engarrafamento na origem. Ou seja, controlam todas as etapas da produção, do cultivo da uva até o engarrafamento.

Na nossa visita, vimos as uvas colhidas esperando para entrar na máquina para serem prensadas e transformadas em suco. Esse suco, chamado de mosto porque está misturado com a casca, é levado aos tanques de aço inoxidável, onde acontece a maceração, que dura aproximadamente dois dias. A Maria José nos mostrou também como os tanques estavam frios e explicou que eles se utilizam de uma técnica chamada de maceração em frio. A ideia é aportar um aroma mais intenso ao vinho. Em seguida,  ocorre a fermentação, que é uma etapa que leva em torno de 7 dias.

Durante esse período, o enólogo experimenta essa mistura e faz várias anotações nas fichas de cada tanque. Se necessário, leva amostras para o laboratório para avaliar os próximos passos da produção. Depois do processo de fermentação concluído. O suco é separado da casca e esse líquido, que já é quase um vinho, vai para os barris de madeira. Todos os vinhos da Pérez Cruz passam por eles.

Um detalhe é que, enquanto todos esses segredinhos eram contados pela Maria José, nós víamos todos trabalhando, das abelhas, passando pelos operadores das máquinas até…

Isso mesmo! O próprio enólogo, Germán Lyon, e eu não poderia deixar de registrar esse momento.

Depois dessa parte, fomos para a adega onde ficam os barris e fizemos a degustación de barricas. Foi bastante curioso porque, mesmo conhecendo mais de 40 vinícolas, ainda não tinha feito algo parecido. A ideia é sentir a diferença entre os vinhos guardados em barril americano e em barril francês. O Cabernet Sauvignon Reserva, carro-chefe da casa, é o único que é composto de uma mescla de guarda: 60% em barril francês e 40% em barril americano. A diferença é grande: o vinho do americano é mais amadeirado. Eu gostei mais do vinho guardado em barril francês: mais suave com o sabor mais frutado e com a madeira menos marcada. A experiência foi muito interessante.

Eu e minha amiga Bárbara

Maria José servindo o vinho

Em seguida, conhecemos a terceira Adega (linda!), onde ocorrem as degustações dos visitantes. E uma outra coisa me despertou curiosidade, vi que as tampas dos barris eram de cristal. Achei muito chique, mas sabia que tinha um motivo: é que, nesta etapa, ocorre uma segunda fermentação, chamada malolática, para reduzir a acidez do vinho.

Antes de seguir para o momento final da visita, a Maria José nos levou a uma varanda com vista para o vinhedo e nos contou mais um segredo. Ao apontar a cordilheira, ela nos falou da importância dessa atividade para a família Pérez Cruz.

Degustação final

Nossa degustação aconteceu em uma pequena sala perto do laboratório. O primeiro vinho que degustamos foi o Cabernet Sauvignon 2015 Reserva (aquele que é uma mescla de barris). Embora conste no rótulo que ele seja reserva, soubemos que ele passará a Gran Reserva, devido à sua qualidade. Acho que merecidamente. Realmente, um vinho estruturado e muito agradável de tomar.

O segundo foi o Carmenere 2016 – limited edition. Essa é minha cepa preferida, então, sou suspeita. Aliás, essa uva é muito típica no Chile. Tem um sabor marcante e, ao mesmo tempo, suave, um aroma de frutas e ervas, uma cor de rubi. Enfim, perfeito!

E, por último, veio o Cot 2015, também limited edition. Na verdade, é um Malbec, mas também pode ser chamado de Cot. Não sabia! Vivendo e aprendendo sempre! 

Além dos vinhos que estão incluídos no tour, tem outras opções para comprar na loja. Por exemplo, o Petit Verdot, um vinho diferente que desperta bastante curiosidade nos brasileiros. Vale experimentar!

Pois é, depois de tantos detalhes, acho que vocês podem imaginar o segredo da Pérez Cruz: dedicação, técnica e, sobretudo, muita paixão pelo que se faz. Mas, para ter certeza, só indo lá para conhecer.

Informações:

Para quem quer combinar essa visita com outras vinícolas:

Texto revisado por Bárbara Mussili, criadora do blog Refúgio Ameno

Fotos: Bárbara Mussili

Planeje sua viagem com a gente!

Fazendo suas reservas aqui pelos links do blog você não paga nada a mais por isso, e ainda ajuda na manutenção da nossa página. Nossos parceiros foram escolhidos a dedo. Então não custa nada ajudar a gente.

Artigos Relacionados

About the Author

Rosi Guimarães
Author with 264 posts
More about Rosi Guimarães

Sou Rosi Guimarães, mineira de Belo Horizonte, casada com Flávio e mãe do Arthur e da Yasmim. Moramos no Chile desde 2014. Relações Públicas e pós-graduada em cerimonial e organização de eventos. Deixamos uma vida bem estruturada em Belo Horizonte e cá estamos: NÓS NO CHILE!
- Facebook: nosnochile
- Twitter: @nosnochile
- Instagram:@blognosnochile
- snap: blognosnochile

1 Comment

  • Mariana Loureiro abril 23, 2018 08.06 am

    Rosi
    Fechei meus olhos e me vi na vinícola degustando esses vinhos. Que olhar perfeito que teve contando cada detalhe da visita. Sublime… Meu roteiro já está super apertado. Terei que voltar a Santiago só para conhecer algumas vinícolas e com certeza a Pérez estará na minha lista. Parabéns.

    Reply 

Gostou? Deixe aqui seu comentário

RESERVAS

A AUTORA

Rosi Guimarães

Sou Rosi Guimarães, mineira de Belo Horizonte, casada com Flávio e mãe do Arthur e da Yasmim. Moramos no Chile desde 2014. Relações Públicas e especialista em cerimonial e organização de eventos. Deixamos uma vida bem estruturada em Belo Horizonte e cá estamos: NÓS NO CHILE!

TEMPERATURA

Santiago - Chile
19°
Weather from OpenWeatherMap