Eu e Flávio aproveitamos um sábado de verão e fomos fazer um tour pelas praias chilenas.

Pegamos o carro e saímos para conhecer algumas que ainda não conhecíamos e outra que queríamos voltar.

Saímos de Santiago com 30 graus, mas pegamos casacos porque o Oceano Pacífico sempre nos surpreende com frio.

É estranho levar roupas de frio para a praia, mesmo no verão. E não é que chegamos lá e o tempo estava realmente frio e nublado?

Vou aproveitar e contar as diferenças e os costumes dos frequentadores das praias chilenas em comparação às brasileiras.

Deixei os stories desse dia nos destaques. É só seguir o @blognosnochile no Instagram.

Costumes e curiosidade das praias no Chile

  • Aqui no Chile não é comum os homens usarem sungas, mas sim bermudas. Não que seja proibido, é uma questão de costume mesmo. Dificilmente você verá um chileno de sunga. 
  • É proibido tomar bebidas alcoólicas nas praias, aliás, não só nas praias, mas em locais públicos, como praças e parques. Então, meu povo, nada de caipirinha e cerveja. Por aqui só água e refrigerante.
  •  É comum as pessoas nadarem de roupas. É outro costume, não sei se pelo frio. Até hoje não entendi muito bem.
  • A água do Pacífico é bem gelada. Eu, mineira, frequentadora assídua de Cabo Frio, pensava que a água de lá era gelada. Aqui é muito pior.  Para vocês terem uma ideia, nunca consegui entrar completamente no mar daqui. Chega a doer o corpo.
  • Não é comum a presença de vendedores ambulantes.

Praia Papudo – nossa primeira parada

Como saímos tarde de Santiago, já estávamos mortos de fome quando chegamos nessa primeira praia. Então, escolhemos o restaurante El Torre e almoçamos uma comida chilena deliciosa.

Eu pedi um salmão e Flávio, uma reineta frita. Média de preço: $ 8.000 cada prato. 

Passamos na praia e, como estava muito frio e nublado, nem ficamos. Partimos em busca do sol. Para ser bem sincera, como sempre, não gostei dessa praia, achei feia. Ainda não conhecia e não voltaria. 

 

Zapallar – a segunda praia do dia

Entramos no carro e dirigimos por mais uns 20 minutos e chegamos em Zapallar. Uma praia bem bonita e que tinha sol! Uhuuu. Já a conhecíamos e gostamos bastante.

Então, decidimos estender a canga e ficar um tempo aproveitando o sol. No verão, é grande a presença de turistas argentinos nas praias chilenas. Como não pode tomar cerveja, nem caipirinha, o jeito foi tomar água. Vou avisando, as praias chilenas não são tão animadas como as nossas brasileiras, que você passa o dia vendo várias coisas acontecendo. É vendedor de empadas, o cara do picolé que passa gritando, o moço que faz um churrasquinho de queijo na hora. Hummm!  

Cachagua – Nossa terceira praia.

Em seguida, pegamos o carro e fomos conhecer uma outra praia ao lado: Cachagua. Bem lindinha também, bom astral, galera mais animada. Gostei bastante. Voltaria com certeza. Não demoramos muito porque nossa ideia era ver o pôr do sol em Concon que estava a uns 40 quilômetros. Não sabíamos se daria tempo, mas decidimos arriscar.

No meio do caminho percebemos que não daria tempo e entramos na praia mais próxima. 

Quintero – a quarta praia do dia

Uma outra praia que não conhecíamos. Não gostei, praia feia.  Mas o pôr do sol valeu a pena! Mas acho que seria lindo em qualquer outra praia chilena. 

Mais uma diferença: no verão, o sol só se põe por volta das 21h30. Vimos o pôr do sol e só depois é que pegamos estrada de volta para Santiago. Chegamos em casa 22h30, felizes da vida. Dia gostoso de praia e com boas energias depois de um belo entardecer. Adoro Santiago, mas sair da capital para viver outras experiências também é maravilhoso. 

 

Leia esse post para saber como é dirigir nas estradas chilenas.

Veja também o vídeo de uma das praias chilenas: