Vinícola Cousiño Macul: História e tradição pertinho de Santiago

Sempre digo aqui no blog: vem ao Chile? Visite uma vinícola, ainda que não seja um apreciador de vinhos, pois com certeza vai tirar algum aprendizado, afinal, aqui é o país do vinho.

Já havia visitado essa vinícola em 2014 e voltei neste mês para atualizar o post.
A Cousiño Macul, no Valle de Maipo, é bem pertinho de Santiago e de muito fácil acesso. Boa opção para quem está sem tempo, mas não quer ir embora sem conhecer o processo de produção dos vinhos chilenos.

Como é final de inverno, o vinhedo estava podado e esperando a primavera para começar a renascer. Difícil acreditar que em pouco tempo tudo estará verdinho e com as uvas começando a brotar. São as mágicas da natureza!

Vale muito a pena conhecer uma vinícola nessa época, mesmo com as videiras sem folhas e frutos. Dessa vez eu fiz o tour de bicicleta pelo vinhedo.

 

A Cousiño Macul tem uma história bem interessante. Fundada em 1856, ela é a única vinícola entre as do século XIX que continua nas mãos da família fundadora e está na sexta geração.

O tour começa com um pequeno percorrido de bococleta pelo vinhedo. Nas paradas o guia o guia Max explica que ali estão plantadas as uvas que produzem os melhores vinhos: o Finis Terrae e o Lota. Ele fala também sobre a qualidade do vinhedo e o conceito de que menos é mais, ou seja, quanto menor a quantidade de cachos de uva, maior a concentração de seus compostos. Os vinhedos dos outros vinhos estão espalhados pelo Chile.

Durante o passeio de bicicleta degustamos o primeiro vinho, um Rosé.

Depois do passeio de bicileta o tour segue pela bodega com os maiores barris do Chile e do mundo, feitos com carvalho chileno e com capacidade para trinta mil litros, que não são mais utilizados. O processo neles seria bem mais lento, ao redor de quatro meses, além da interferência da madeira que eles aportam ao sabor. Hoje, são considerados peças de museu e servem para nos mostrar parte da história da vinificação. Atualmente, são utilizadas modernos tanques de aço inox, onde o processo é bem mais rápido, cerca de um mês, com qualidade e sem perder o sabor da uva.

O próximo momento do tour é a sala de guarda. Segundo o Max, ela é a maior do Chile. Construída no século XIX, mantém tudo original até hoje, não tendo passado por nenhuma reforma. Dentro da dela, existem algumas peças antigas que eram usadas para a produção do vinho e recebemos as explicações sobre as diferenças entre a produção antiga e a atual.

A vinícola tem uma cave de vinhos, coleção muito antiga, com garrafas de Cabernet Sauvignon da colheita de 1927. É claro que já devem ter virado vinagre, mas continuam lá intactos e cheio de poeira.

A Degustação

Ao final da visita, passamos à sala de degustação. Fizemos o tour Premium de seis vinhos, entre brancos, tintos e o Premium Finis Terrae 2013, acompanhados de uma tábua de queijos. Ainda ganhamos uma taça de brinde.

Informações:

  • Horários:  de segunda a sexta, tours as 11:00, 12:30, 15:00 e 16:30 hrs
  • Sábado: 10:15 e 11:30 hrs
  • Domingos e feriados: Fechado
  • Endereço:  rua Quilin, 7100, Peñalolén, Santiago
  • Preços: Tour regular – $ 15.000, Tour premium – $ 25.000, Tour ícone – $ 65.000
  • Duração do tour regular e premium: entre 1h e 1h30
  • Duração do tour ícone: 3 horas (feito de bicicleta)
  • Para reservar os tours.

 

Como chegar:

A forma mais fácil é metrô e táxi. Tomar a linha 1 até a estação Tobalaba e, chegando lá, mudar para a linha 4 em direção à Plaza de Puente Alto, descendo na Estação Quilin. Depois é só pegar um táxi até a vinícola. O valor aproximado é de $ 2.700. Na volta, é só pegar o táxi na porta da vinícola até o metrô novamente. Tempo gasto com o trajeto: cerca de quarenta minutos entre a estação Tobalaba e a vinícola.  

Veja o vídeo da Cousiño Macul no nosso canal do Youtube:

 

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ao comentar você concorda com nossa Política de Privacidade