Roteiro completo: o que fazer em Pucón no sul do Chile

por Rosi Guimarães

Este é terceiro post de Pucón da série: Família Nós no Chile em Pucón 2019. Tem post sobre como foi a nossa viagem saindo de Santiago e também tem uma listinha com os restaurantes imperdíveis na cidade.

Desta vez, nossos dias em Pucón foram um pouco diferentes porque fizemos todos os passeios no nosso carro. Não contratamos agência. E a viagem foi mesmo para descansar, sem ter um roteiro muito rígido e sem obrigação de fazer passeios o tempo todo. Mesmo assim, vou deixar uma listinha dos passeios pela cidade.

Posso dizer que Pucón é uma cidade dinâmica, ou seja, tem atrações para todas as épocas do ano e para todas as idades. No inverno, o forte é a neve e o centro de esqui. No verão, a praia e os esportes de aventura são os destaques do turismo na cidade. Inclusive, em janeiro, fizemos uma viagem de carro para o sul do Chile, uma experiência incrível. Desta vez voltamos no inverno, com temperaturas variando entre 2 e 14 graus e muita chuva. Dos cinco dias que ficamos na cidade, choveu em quatro deles. Inverno é assim mesmo! Se decidir viajar nesta estação, vá preparado para encarar a chuva.

Aí vai uma dica: se quiser ter a certeza de que vá ver o vulcão, não viaje no inverno. Com dias chuvosos e nublados, o Villarrica sempre fica escondido. Estivemos na cidade em agosto de 2018 por três dias e ele não deu as caras. Agora, dos cinco dias na cidade, em apenas um dia foi possível apreciar sua magnitude. Já no verão, ele fica à mostra sempre.

Como foi nosso roteiro em Pucón, sul do Chile

Dia 1: conhecendo a cidade

Dedique um dia para bater perna pela cidade. Conheça o Centro Artesanal de Pucón, caminhe pela margem do Lago Villarrica e tire foto no famoso letreiro. Conheça também a Plaza de Armas, a avenida principal que é a Libertar Bernardo O’Higgins, passe pelas cafeterias e docerias que tem na cidade. Fizemos isso e foi ótimo! A cidade é gostosa, tem uma boa energia, não dá para explicar, tem que ir e viver. E ainda tivemos a sorte de ver um arco íris lindo!

Dia 2: Ojos de Caburgua e neve

Os Ojos de Caburgua e a lagoa Azul ficam a apenas quinze quilômetros da cidade. O lugar é bem bonito e vale muito a pena conhecer. Fomos pela manhã. Meio período é o suficiente para conhecer o local. As cores da água são realmente surpreendente. 

Entre junho e outubro, é possível encontrar neve aos pés do Vulcão Villarica. Como eu expliquei no outro post, a estação estava fechada no dia da nossa visita por causa dos fortes ventos. Mas, como não tínhamos a intenção de esquiar, não atrapalhou em nada. Brincamos muito na neve e curtimos o lugar.

Dica: costuma ter neve no caminho de subida para a estação de esqui. No dia da nossa ida não tinha, mas, caso tenha neve no caminho, é obrigatório o uso de correntes nas rodas do carro.

Veja o vídeo desse nosso dia:

Dia 3: Termas Geométricas

Lugar mágico! Essa é a minha definição para Termas Geométricas, a mais linda da região. Existem muitas termas em Pucón, mas essa tem um encanto. Você tem que ir!  Ideal tanto no inverno quanto verão. Nas duas vezes em que fomos era inverno.

Qual o diferencial das Termas Geométricas?

Estrutura bastante rústica e com uma passarela em madeira pintada de vermelho, obra do arquiteto chileno German del Sol. A passarela tem um formato geométrico de 450 metros, por onde você vai passando e admirando a beleza do lugar. Dica importante: chegue cedo! Depois das 13 horas enche muito.

Dia 4: Reserva Biológica de Huilo Huilo

Nossa segunda vez nesse passeio. Da outra vez, fizemos esse roteiro para Huilo Huilo num bate e volta com uma agência, mas agora fomos no nosso tempo, parando onde queríamos.

A reserva Biológica de Huilo Huilo fica a cerca de 120 quilômetros de Pucón, quem esteve lá e se hospedou nos hotéis de Huilo Huilo foi o Robson Franzói, do blog Um Viajante.

Nós fizemos um bate e volta passando pelo circuito Siete Lagos, passando por Panguipilli. A estrada é linda e é agradável dirigir em uma estrada assim. Como era final de inverno, já preparando para a primavera, estava tudo verdinho.

Pegamos muita chuva, tanto na estrada, como lá na reserva, chuva forte mesmo. Foi um perrengue, não conseguimos fazer quase nada, mas eu conto no blog todas as atividades que são possíveis fazer nesse passeio.

Só o caminho e as paradas para fotos já valeu a viagem, apesar da chuva!

 Dia 5 : Volta pra casa

Já contei que viajamos no nosso carro, então aproveitamos o último dia para acordar mais tarde, tomar um demorado café da manhã no hotel e depois pegar o caminho de volta para casa. A viagem foi super tranquila, já que voltamos antes do feriado terminar. 

Como eu falei no começo do texto, desta vez fizemos todos os nossos passeios no nosso carro, não contratamos agência. Isso tem vantagens e desvantagens.

Vantagens

  • A gente faz tudo no nosso tempo e na nossa hora. 

Desvantagens

  • Quando a gente faz passeios acompanhados de guia de agências, a gente aprende muito mais sobre o lugar. Senti falta disso nesta viagem, já que adoro conhecer as histórias dos lugares. Por mais que a gente pesquise e leia,  conhecer os locais com um profissional faz toda diferença.

Dicas importantes:

  • Quando ir? É possível visitar Pucón em qualquer época do ano, lembrando que, entre junho e setembro, é inverno e chove muito.  Evite o mês de fevereiro – férias no Chile, alta temporada – é o mês que a cidade fica mais cheia, muitos santiaguinos viajam para Pucón.
  • No sul do Chile chove muito, então é imprescindível olhar a previsão da temperatura para a data da sua viagem. No inverno, chove quase todos os dias, viaje preparado! Geralmente, a temperatura no inverno varia entre – 2 e 14 graus
  • Já estivemos em Pucón em um mês de agosto e o tempo estava tão nublado e com tanta chuva que não conseguimos ver o vulcão. Imagina a frustração! Como moramos aqui, podemos voltar sempre e  já o tínhamos visto antes, não nos frustamos tanto. Mas imagino o turista nesta situação. Melhor planejar.
  • Também estivemos na cidade no verão e a temperatura é bastante agradável, entre 15 e 28 graus. As manhãs e noites são sempre mais frias. 
  • A dica mais importante: vale muito a pena incluir Pucón no seu roteiro. A cidade é linda e tenho certeza que você não vai se arrepender. E não esquece de voltar aqui para deixar seu comentário. 

Boa viagem!

Planeje sua viagem com a gente!

Fazendo suas reservas aqui pelos links do blog você não paga nada a mais por isso, e ainda ajuda na manutenção da nossa página. Nossos parceiros foram escolhidos a dedo. Então não custa nada ajudar a gente.

Posts Relacionados

6 comentários

DANIELA RODRIGUES FERREIRA SOARES _ 20 de novembro de 2019 - 18:59

Parabéns!!! Quanta informação bacana em um lugar só. Queremos ir a Santiago e Pucón em junho do ano que vem. No final do mês de junho ainda dá para avistar o vulcão Vilarrica? As adegas cobram ingressos das crianças?

Obrigada e abraços !!!

Reply
Rosi Guimarães 21 de novembro de 2019 - 08:57

Oi Daniela,
Obrigada! O blog é feito com muito carinho e dedicação. final de junho já é inverno, epoca que o tempo fica bastante nublado e chuvoso, é uma questão de sorte mesmo. Sobre a cobrança de crianças nas vinícolas, algumas cobram, outras não. A Concha y Toro, por exemplo cobra um pequeno valor e oferece um suco para as crianças.
Um abraço e boa viagem!

Reply
Silvestre Stt 11 de novembro de 2019 - 20:25

Rosi como esta a situação em Pucon devido aos protestos?
Tenho uma viagem marcada para Dezembro mas estou preocupado.
Ah Obrigado por todas as informações e dicas que vc publica

Reply
Rosi Guimarães 18 de novembro de 2019 - 10:05

Silvestre,
na cidade de Pucón está tudo tranquilo. A região de Temuco, onde está o aeroporto é que tem protestos. Como você vai? Carro ou avião?
Um abraço!

Reply
Lilia Beatriz Assunção 6 de novembro de 2019 - 20:25

Parabéns! adorei o passeiode vcs, estou com muita vontade de ir aí, vou esperar as coisas acalmarem por ai. Obrigada

Reply
Rosi Guimarães 7 de novembro de 2019 - 07:44

Lilia,
Pucón é uma delícia! Vale muito o passeio, tanto no inverno como no verão.
Um beijo!

Reply

Gostou? Deixe aqui seu comentário