Santiago do Chile: o dia que a cidade parou por manifestações e caos

por Rosi Guimarães

Tudo começou há mais ou menos uma semana e foi ganhando força de forma gradativa até transformar a cidade de Santiago em um caos na sexta-feira à noite, 18 de outubro.

Motivos das manifestações no Chile

A princípio, o motivo das manifestações foi o aumento das tarifas do transporte público, mas o que pude perceber é que a raiva e a indignação foram tomando conta dos chilenos e não faltaram razões para manifestar além do aumento das passagens: AFP (fundo de pensão chileno), educação, saúde, aumento das tarifas de energia elétrica e muito mais.

Na sexta à noite, Santiago se transformou num verdadeiro caos: dezesseis estações do metrô, vários ônibus, o prédio da Enel (Energia Elétrica do Chile), situado no centro de Santiago, foram incendiados. A situação era de uma verdadeira guerra, principalmente na região central e Plaza Italia. O metrô de Santiago anunciou o fechamento de todas as estações durante todo o final de semana.

No sábado pela manhã, o presidente Sebastián Piñera anunciou estado de emergência e o exército tomou conta da cidade. Algumas manifestações pacíficas continuaram, mas a situação foi saindo novamente do controle à tarde. Incêndios em ônibus, supermercados saqueados e reação da polícia com bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água nos manifestantes.

Às 16 horas do sábado, a Transantiago (empresa de ônibus) informou que o transporte de ônibus também seria cortado, ou seja, nenhum meio de transporte público funcionaria na cidade. Diante disso, todos os supermercados, restaurantes, lojas, shoppings da cidade começaram a fechar. 

A orientação era abastecer carros e providenciar água e alimentos em casa, o que gerou filas enormes nos postos de gasolina, nas farmácias e nos pequenos estabelecimentos que continuaram abertos. Nós tentamos ir à quatro supermercados, porém todos estavam fechados. Só conseguimos comprar alguns produtos numa loja de conveniência.

Depois de rodar a cidade em busca de alimentos, retornamos pra casa quase no final da noite e fomos informados que o governo havia decretado toque de recolher, das 22 horas de sábado até 7 horas da manhã de domingo.

Com o carro abastecido, dinheiro em casa e alguns alimentos para a semana, estamos presos em casa neste momento. É quase meia-noite de sábado e estou acabando de escrever este texto com o olho colado nos noticiários.

Domingo, 20, pela manhã – situação atual

A cidade amanheceu com ruas vazias e mais de 20 mil casas estão sem energia elétrica. Muitos voos cancelados e o aeroporto de santiago está com superlotação. Os ônibus da Transantiago voltaram a circular, mas o metrô de Santiago segue fechado. Não há movimentação no centro de Santiago e na Plaza Italia até a publicação deste post.

O cenário é de incertezas, as aulas foram suspensas na segunda, dia 21, e estão convocando uma greve geral para esse dia. Você é turista e está no Chile? Estou passando todas as notícias pelo Instagram do @blognosnochile. Tem viagem agendada para esta semana? Continue acompanhando as informações para tomar qualquer decisão de cancelamento ou mudança na data da viagem.

Espero, sinceramente, que a situação seja resolvida o mais rápido possível e da melhor forma.


Texto revisado por Bárbara Mussili, criadora do blog Refúgio Ameno.


Posts Relacionados

Gostou? Deixe aqui seu comentário