Quando penso que já fiz todos os passeios nos arredores de Santiago e que não vou me surpreender com mais nenhum, me surge a oportunidade de fazer uma cavalgada nas montanhas, numa região ainda não explorada por turistas.

Me perguntei se este passeio me surpreenderia. Será? Não pensei duas vezes e fui.

Continue lendo o post para saber.

 Siga o @blognosnochile no Instagram para ficar por dentro das novidades do Chile em tempo real.

é um passeio de bate e volta saindo de Santiago. Saímos cedinho, às 6h30 da manhã, em direção a Rancagua, uma importante região mineradora do Chile e ainda pouco explorada por turistas.

A  Indo pro Chile é a única agência que oferece esse passeio. Eu mesma, que já moro aqui há cinco anos, não conhecia o lugar.

Vimos o dia amanhecendo na estrada. Fomos avisados pelo nosso guia Julio que o passeio incluía café da manhã e churrasco e que tudo seria preparado por ele.

Nossa primeira parada foi na cidadezinha de Coya, onde o guia comprou pão fresco para o nosso desayuno. Pela beleza da estrada já percebi que seria um passeio incrível.

Depois de mais alguns minutos na estrada, paramos para o café da manhã num lugar exuberante e deserto. Éramos os únicos no local: eu, um casal de turistas de São Paulo e o guia. Enquanto o Julio preparava nosso café da manhã, aproveitamos para explorar um pouco e tirar fotos.

O café da manhã ficou pronto logo: café quentinho, pão, queijo, geleia, manteiga e ovos mexidos preparados na hora. Que delícia! Estava um dia bem frio, fazia 3 graus. Esse cafezinho foi tudo de bom!

Em seguida, continuamos nosso caminho numa subida pela cordilheira. Era cada paisagem de tirar o fôlego. Numa determinada parte do caminho, o Julio acionou o 4 x 4 do carro, pois não é qualquer veículo que consegue fazer esse passeio. Chegamos no sítio arqueológico Pangal, com uma vista perfeita para a Cordilheira dos Andes.

Curiosidade

Paramos na Tuberia do Pangal, um duto de madeira utilizado para o desvio da água e geração de  energia. Construída em 1917, são três quilômetros de tubulação e dois deles  são protegidos pelo Patrimônio Histórico. Esse tipo de duto só existe em dois países: Austrália e Chile. A única tubulação que funciona é a do Chile. Interessante!

Começamos a seguir com tranquilidade, olhei ao meu redor e me bateu uma emoção muito grande. Não sei explicar! Foi um momento mágico. Cavalgar no meio da cordilheira, num total silêncio, foi uma experiência muito forte. Nesse momento, pensei  e queria que minha família pudesse estar ali comigo vivendo essa emoção. Quando o blog nasceu a gente fazia tudo junto. O blog e os filhos cresceram. Os compromissos se multiplicaram. Já não consigo coordenar os passeios para que todos possam estar juntos. Mas fiz a promessa que voltaria com eles.

A montanha me passa uma paz, uma energia boa, não sei explicar. Só sei que me sentia muito bem e feliz! Escrevendo esse post  e relembrando os momentos, voltei a me arrepiar diversas vezes. Lembrei também que a Amanda, que estava no passeio junto com o Rodrigo, estava muito feliz pois fazia aniversário neste dia.

O arco íris ficou ali o tempo todo que estivemos aos pés da cachoeira. Depois de curtirmos a natureza por um tempo, montamos novamente nos cavalos e fizemos o caminho de volta por mais uns trinta a quarenta minutos.

Por fim, os arrieros se foram e nós ficamos ali contemplando mais um pouco do lugar, comendo churrasco e tomando vinho. Por volta das 16 horas, pegamos o caminho de volta para Santiago. O passeio é de dia completo, das 6 às 19 horas. Cheguei em casa cansada, mas feliz!

E aí o que vocês acham? Esse passeio conseguiu me surpreender? Muito, galerinha!

Fiz o passeio a convite da agência Indo pro Chile, uma das parceiras do blog.

Para fazer um orçamento deste e de outros passeios, clique neste link.

Fiz o passeio novamente e gravei um vídeo dessa cavalgada