Pense em uma combinação perfeita para inspirar um fim de semana a dois.

Pode ser natureza, vinho e gastronomia?

Nem sou eu que estou sugerindo, só estou lembrando de Gabriela Mistral, a poeta chilena e Prêmio Nobel de Literatura, que escreveu que o Chile era “…a terra mais verde dos pomares, a terra mais loira de colheita, a terra mais vermelha das videiras…”

Inspirou? Se sim, dá uma olhada nas dicas que preparamos.

Viagem romântica para os vinhedos chilenos

O Chile tem vários vales viticultores que oferecem o cenário ideal para uma viagem romântica.

Então, vamos explorar o Valle de Colchagua? A ideia é pensar em um fim de semana para relaxar e pernoitar em um dos hotéis da região.

Esse vale fica a mais ou menos duas horas de Santiago de carro, ao sul, tomando a Ruta 5 que é uma rodovia que corta o país de ponta a ponta. Na altura da cidade de San Fernando, deixamos a rota para entrar no nosso destino que tem como base os arredores da charmosa cidade de Santa Cruz. 

É nela que acontece uma das festas da Vendimia, quando se celebra a colheita anual das uvas, no mês de março, e este é um bom período para programar essa viagem. Dá uma passadinha aqui neste post para ver como é a festa.

No verão, de dia faz calor e à noite é bem fresco. Os vinhedos estão bem verdinhos e repletos de cachos de uvas.

Já no inverno, é bastante frio, mas se a ideia é fazer uma viagem romântica, tem o calor humano para aquecer, não é? O cenário é mais cor de terra e mesmo assim, muito bonito. Eu também já fui no mês de setembro, quase primavera, e estava bem frio.

 

Onde se hospedar no Valle de Colchagua

Para comentar as opções de hospedagem, uma delas, testada e aprovada, é o Noi Blend Colchagua.

É uma casona no estilo colonial, de 1875, restaurada em um espaço cercado de jardins e pequenos ambientes acolhedores. Ao lado da piscina, uma banheira de ofurô em madeira para relaxar com água bem quentinha e uma taça de vinho…

Cada quarto tem uma decoração exclusiva e as acomodações são muito confortáveis. O salão de refeições se integra com o bar e o serviço é muito atencioso. Ao percorrê-lo, notamos uma mesa especial com flores e corações e, ao perguntar, descobrimos que estava reservada para um casal que comemorava uma data especial. Fica a dica!

A cozinha do Hotel Noi é uma boa opção para um jantar à noite sem precisar de deslocamento. Normalmente, eles servem um buffet de saladas, sobremesas e infusões. Tudo caseiro, bem caprichado e com carnes a escolher preparadas no guincho, a churrasqueira dos chilenos.

Também conhecemos o La Perla Hotel, que é um pouco maior que o Noi e talvez menos intimista. E tem também o Hotel Santa Cruz Plaza, bem no centro, e integrado ao Museu de Colchagua.

Agora, se a intenção for impressionar muito, a Viña Lapostolle tem um hotel super exclusivo, o Clos Apalta Residence.

Todas estas opções podem ser vistas aqui no Booking, colaborando para a manutenção do blog sem pagar nada a mais por isso.

Quais vinícolas visitar no Valle de Colchagua

E vamos ao cenário de filme para esse fim de semana se tornar inesquecível?

Para isso, estão as vinícolas.

Assim como os vales, elas também são muitas.

Mas vamos sentir o gostinho de algumas. E lembrando que, como direção e álcool não combinam, pode-se fazer o deslocamento entre o hotel e as vinícolas de táxi local.

A Neyen é uma vinícola com mais de 100 anos, porém, se engana quem acha que vai encontrar uma construção antiga. O tour te apresenta o vinhedo com parreiras centenárias e também te leva pra ver a produção e a bodega. São espaços renovados, com muita história e tradição. A sala de degustação é linda e é onde se entende o conceito do que eles chamam de espírito de Apalta. Um lugar rústico e moderno. Além do tour, também são oferecidas opções de almoço campestre, piquenique e trekking.

A Viu Manent também é uma vinícola tradicional na região, um pouquinho menos antiga que a Neyen. Ela oferece opções de tour de carruagem e bicicleta pelo vinhedo, a escolher o que você acha mais romântico. A Rosi conta sobre esse passeio aqui neste post. A minha experiência por lá foi um almoço no Restaurante Rayuela que tem um grande espaço ao ar livre de frente para o campo.

A Lapostolle/Clos Apalta produz o famoso Clos Apalta em um espaço construído para lembrar um ninho de pássaros. No tour, além de conhecer sua história e seu processo, é muito curioso observar a escada em formato de caracol que se percorre como o caminho do vinho na taça, o pêndulo que lembra o movimento da terra e a sala de degustação que dá a sensação de um céu de estrelas.

A Santa Cruz é uma vinícola de 2004 e muito diversificada. A exemplo do hotel que comentei antes, ela também se integra com vários espaços de exposição. Da base da sua propriedade com um museu de carros antigos, passando pelo casarão em que é feito o tour até o alto do Cerro Chamán, de teleférico, para conhecer as culturas Mapuche, Aymara e Rapa Nui. Esse lugar tem tanta coisa que merece um post todinho para ele.

A Montes é surpreendente. Sua bodega é relativamente recente, de 2004, e seu interior foi projetado para conceber os princípios do Feng Shui e do equilíbrio da natureza. Essa surpresa é suficiente? Não. Os vinhos envelhecem nas barricas ao som de canto gregoriano. É bem mágico. O tour também te leva no alto da propriedade de onde se pode apreciar a vista comendo uma empanada chilena.

Para completar o passeio com a dica de um restaurante especial, ainda ficamos pela Montes.

É que o conceituado chef argentino, Francis Mallmann, inaugurou por lá o restaurante Fuegos de Apalta em 2017. Uma verdadeira viagem gastronômica pelos pampas. É que, como o diz o nome, a cozinha, que fica em um espaço envidraçado no meio do restaurante, se utiliza dos processos de cozimento da lenha e do fogo para preparar seus pratos. E pode-se disfrutar desse prazer tomando um vinho que escutou canto gregoriano e admirando a beleza desse vinhedo.

Cada vinícola tem suas próprias características e traz uma experiência diferente com sua história, conceito e, principalmente, com seus vinhos. E assim se vive um momento feliz, na companhia ideal, desses para guardar na memória, no Vale de Colchagua. 

 

Informações: 

Neyen

http://neyen.cl/es/

Viu Manent

http://viumanent.cl

Lapostolle Wines – Bodega Clos Apalta

http://es.lapostollewines.com

Santa Cruz

http://www.vinasantacruz.cl/?lang=pt

https://www.monteswines.com/pt/

Fuegos de Apalta

Contato: +56 72 260 5190 / Cel: +56 9 5673 3634

E-mail: [email protected]