Teatro Municipal de Santiago, o palco mais antigo do Chile

Ópera, balé, concerto…

A maneira mais convencional de conhecer o Teatro Municipal de Santiago é assistir a um dos seus espetáculos.

A cada temporada se renovam as montagens com artistas nacionais e internacionais e também com o Coro do Municipal e a Orquestra Filarmônica de Santiago.

São atrações imperdíveis para quem se propõe a aproveitar a viagem para ver clássicos das artes cênicas.

Mas existe também uma outra maneira de conhecer este lugar incrível e sua história. É a visita guiada pelo teatro que percorre vários de seus espaços e nos dá a dimensão dos bastidores e de sua importância no ambiente cultural e social do país.

Os primeiros detalhes que você deve saber é que o Municipal fica no centro de Santiago e é super fácil de chegar de metrô (linha 1 – estação Santa Lucía – saída A Miraflores). A caminhada até o local é de 5 minutos.

Como é o tour guiado no Teatro Muncicipal de Santiago

As visitas acontecem em dois horários (12h e 16h30) às segundas, quartas e sextas-feiras e duram cerca de cinquenta minutos. As entradas podem ser compradas pelo site, mas cheguei um pouco antes e comprei na hora. Como fui numa quarta-feira logo depois do Natal, achei que não teria muito movimento. Dito e feito. Para minha sorte e de mais dois turistas cariocas que também chegaram para a visita, fomos recebidos pelo simpático e experiente guia Tomás que, quando viu que éramos brasileiros, fez questão de fazer todo o tour em um português perfeito. Em regra, os tours são em espanhol.

Da bilheteria, saímos pela rua e entramos no prédio pela lojinha do teatro para então passarmos ao hall de entrada principal, o Foyer Agustinas. É nesse momento que você começa a esquecer o que ficou do lado de fora e se transporta para 1857, o ano da inauguração do teatro. O Tomás nos explicou vários detalhes sobre o contexto histórico em que se pensou a importância do projeto para Santiago e para o Chile. Na época, construir um espaço como esse significava mostrar para o mundo que o país também era desenvolvido culturalmente, ainda que se contratasse arquitetos franceses para que o lugar ficasse bem parecido com os melhores teatros da Europa. Assim, se ergueu um prédio com estilo neoclássico e materiais importados da França.

 

Tomás nos contou também sobre o simbolismo das estátuas das musas da música, da poesia e dos guardiões do salão. E curiosidades sobre a porta principal que normalmente só é usada pelo presidente do Chile em festas de gala. Mas, o mais impressionante, é saber que as edificações já resistiram a três incêndios e vários terremotos, entre eles o que foi considerado o maior já registrado no mundo em 1960 e o de 2010 que também foi muito forte. Logo, o teatro sofreu mudanças ao longo do tempo e todos estes detalhes se conhecem durante a visita.

Do hall, passamos à sala de apresentações com capacidade para 1.400 pessoas. O conjunto é majestoso. Sentamos nas poltronas e escutamos o guia nos contar sobre a estrutura do palco, o espaço da orquestra, a disposição do público, entre as galerias e os camarotes. No entanto, é olhando para o alto que nos surpreendemos com a pintura do teto, simbolizando o céu habitado pelas musas da dança, da música, da comédia e da tragédia. Ao centro, representando o sol, o imenso lustre de uma tonelada e 14.300 cristais de Baccarat, fabricado na França.

Deslumbrados, continuamos o tour. É preciso explicar que o recorrido pode variar a cada visita em função das atividades que estiverem acontecendo no momento. Você pode dar a sorte de ver um ensaio ou um teste de iluminação, por exemplo. No nosso caso, demos a imensa sorte de estar num dia em que as dependências estavam realmente liberadas e, por acaso, era a despedida do Tomás deste trabalho no teatro para outros desafios. Sendo assim, ele se prontificou a nos mostrar até mesmo espaços que normalmente não estão disponíveis para a visita.

Passamos para a Sala La Capilla, outro foyer na lateral do teatro e que antigamente era destinado às mulheres. Em seguida, tivemos o privilégio de conhecer o camarote presidencial e foi muito interessante perceber que o espaço, embora equipado de móveis clássicos e estrutura exclusiva, fica num local cuja visão do palco é muito prejudicada. Mas como nada é por acaso, o Tomás nos revelou que, na época, o mais importante era o mandatário do país ser visto por toda a plateia. Atualmente, em eventos com sua presença, o presidente ocupa outro espaço.

Continuando, outra surpresa. Conhecemos o ateliê de pintura do teatro, um grande galpão onde são feitos os cenários das montagens nacionais. Ao sair dele, ainda conseguimos passar também pela Sala Claudio Arrau, em homenagem ao pianista chileno, e também com várias outros bustos em homenagem aos grandes músicos da história. Esta última sala está prevista no tour, porém, como já explicado, o acesso depende dela estar sendo usada.

Para terminar, um fim apoteótico para nossa visita. Nosso guia Tomás simplesmente nos levou aos camarins e… ao palco! Isso mesmo, nós acessamos o local mais emocionante do teatro. Vimos por trás das cortinas o ângulo mais privilegiado que alguém como nós poderíamos ter e toda a estrutura dos bastidores do cenário. No caso, eram os objetos cenográficos da montagem de balé Cascanueces (O Quebra Nozes).

Terminamos o tour no Foyer San Antonio sob a luz de seus maravilhosos vitrais. É impossível transmitir tudo o que sentimos e aprendemos. Além das informações históricas, a visita contempla muitas curiosidades interessantes e nos despertam muitas sensações mesmo sem termos ouvido o som da orquestra ou de tenores ou visto os bailarinos. Lógico que agora dá vontade de complementar o passeio com esta experiência. Ao sairmos, percebemos que não demos conta das duas horas que passamos dentro do teatro. Como eu disse antes, a visita normal é mais curta, mas, com certeza, tivemos um privilégio ao fazermos uma visita tão especial e agradecemos ao nosso guia Tomás e ao Teatro Municipal de Santiago.

 

Informações 

Endereço: Agustinas, 794

Teatro Municipal – De Santiago

Infelizmente durante o período da pandemia as visitas guiadas estão suspensas, sem data para voltar.

Mas você pode visitar o site do teatro Muncipal e escolher um espetáculo!

E para complementar seu passeio neste dia, lembre-se que estará pertinho do Barrio Lastarria para almoçar e passear, do Museo de Bellas Artes, do Centro Cultural Gabriela Mistral. Só escolher…

Texto escrito por Bárbara Mussili.

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ao comentar você concorda com nossa Política de Privacidade