Qual é a melhor maneira de levar dinheiro para a viagem ao Chile?

A forma de levar dinheiro para viajar está mudando.

Antes, as pessoas costumavam levar uma grande quantia em espécie para pagar hospedagem, alimentação, passeios e compras. Hoje, por praticidade e segurança, não é mais assim.

Pagar tudo em dinheiro pode não ser tão simples: além de ser arriscado andar com muito dinheiro, é preciso saber bem a conversão de cabeça na hora de fazer o câmbio. 

Muita gente me pergunta qual a melhor forma de levar dinheiro para o Chile e poder aproveitar sem preocupação a viagem. Por isso, escrevi este post para tirar dúvidas!

Leia a seguir e se prepare melhor para a sua viagem.

Clica em cada ítem para te levar direto ao assunto:

 

 

1. Dinheiro em espécie

Nos últimos anos, a cotação do real esteve entre 160 e 200 pesos chilenos. Na hora  do câmbio, eu recomendo fazer no Chile.

O primeiro passo é olhar o valor de compra e, quanto mais alto este valor, melhor para você.  A cotação aqui no Chile quase sempre é bem melhor que no Brasil e também mais fácil de fazer a troca, pois não é cobrada nenhuma taxa extra e não é exigido nenhum tipo de documento.  Em Santiago, todas as casas de câmbio fazem câmbio de real por peso chileno.

A única desvantagem é que viajar com muito dinheiro em espécie pode não ser tão seguro.

Câmbio no aeroporto: caso seja necessário, a minha sugestão é trocar pouco pois a cotação é muito ruim (se em Santiago está CLP $170, no aeroporto pode estar por $130) é pior que na cidade, mas ainda pode ser melhor que no Brasil. O ideal é trocar o mínimo possível, somente para poder pagar gastos até chegar no hotel.

É onde a cotação é sempre a pior e ainda cobram US$1 de taxa por câmbio. A vantagem das casas de câmbio do aeroporto é que funcionam 24 horas.Então, sempre sugiro trocar o suficiente para pequenos gastos como  para comprar água ou lanches, pagar o transfer e não passar perrengue por não ter a moeda local.

Câmbio no Centro de Santiago: é o local onde está a maior concentração de casas de câmbio, principalmente na Calle Agustinas – estação de metrô Universidad de Chile, pertinho do Palácio La Moneda e ao lado do Paseo Bandera.

O fato de haver uma casa de câmbio ao lado da outra, aumenta a oferta e faz com que a cotação seja melhor, mas nem sempre isso acontece. O centro de Santiago já não está tão seguro como antes, logo, é bom sempre ficar atento.

Funcionamento: Segunda a sexta – 9 às 19h. Sábado  – 10 às 16h. Domingo – fechado.

Câmbio no bairro Providência: a maioria das casas de câmbio está concentrada na calle Pedro de Valdivia – estação de metrô Pedro de Valdivia. Pode acontecer da cotação estar melhor em Providência que no centro. Então, fica a dica: se estiver hospedado neste bairro, não vale a pena deslocar-se só para fazer câmbio, ok?

Funcionamento: Segunda a sexta – 9 às 18h30. Sábado – 10 às 14h. Domingo: fechado

Câmbio no bairro Las Condes: quem vai se hospedar em Las Condes, também há casas de câmbio. Na rua El Bosque, quase esquina com Apoquindo, há mais de uma opção. Além disso, perto da estação de metrô Manquehue, no shopping Apumanque também tem uma loja da Afex.

Funcionamento: Segunda a sexta – das 9 às 18h30. Sábado – 9 às 14h. Domingo: fechado

Câmbio nos shoppings: em geral, não oferecem boa cotação, mas sempre salva quem precisa trocar nos finais de semana ou à noite. Você encontra casas de câmbio tanto no Shopping Costanera quanto no Parque Arauco.

Funcionamento: todos os dias, das 10 às 20 horas.

Você também poderá encontrar caixas automáticos da More Exchange, localizados nos shoppings Costanera Center, Alto Las Condes, Portal La Dehesa, Parque Arauco para realizar as transações.

1.1. Como fazer a conversão de dinheiro: real para peso chileno

Já que estamos falando de dinheiro e câmbio, já anota a dica para fazer a conversão de real para pesos chilenos.

Como exemplo, vamos considerar que R$1 esteja valendo aproximadamente CLP $170.

Isso significa que, com R$1, você consegue comprar CLP $170 e com R$1.000 você compra CLP$170.000. Para fazer as contas, pegue o valor em pesos chilenos e divida por 170. Sei que são muitos zeros, mas não se esqueça de colocar todos!

2. Cartões Multimoedas, tipo Wise e Nomad

Sabia que há formas mais vantajosas do que fazer câmbio e levar dinheiro para viajar? Abrir uma conta em um dos serviços financeiros que oferecem o cartão de viagem internacional como o Wise, Nomad, C6 e BS2.

Veja algumas das vantagens que eu acho que realmente valem a pena na conta da Wise:

1. Conta gratuita: sem taxa de anuidade;

2. Você paga menos de IOF;

3. Tem a moeda Peso Chileno, então pode comprar no Chile em lojas físicas usando a moeda local e fazendo o débito diretamente em sua conta;

4. Permite inserir o cartão virtual Wise na Apple Pay e Google Pay.

5. Saca dinheiro em caixa eletrônico em qualquer lugar do mundo; aqui no Chile, em todos os caixas que são RedBanc.

6. Evita usar casas de câmbio;

7. Não precisa viajar com tanto dinheiro em espécie, mas eu recomendo trazer pelo menos um pouco de real e fazer o câmbio aqui no Chile.

Acredito que essas vantagens já são boas para pensar em ter uma conta na Wise, certo?

Para saber mais sobre o Wise, clique aqui.

Os cartões multimoedas são a evolução do que antigamente era conhecido como “travel money”. Portanto, não é um cartão pré-pago como antes, em que você pagava pelo câmbio do dia do carregamento.

Na verdade, você terá um cartão internacional, físico ou virtual, onde as compras são feitas em dólar americano, com isenção de taxas de ativação e anuidade. As operadoras chamam de conta virtual global ou cartão multimoeda.

O IOF é cobrado no momento em que você adicionar o dinheiro à conta, mas você pode ir “convertendo” o dinheiro aos poucos, aproveitando a flutuação do câmbio da melhor forma.

A primeira vantagem é a segurança. Você não precisará manusear uma grande quantidade de dinheiro. Segundo que a cotação oferecida pelos cartões também pode ser melhor que a encontrada nas casas de câmbio em Santiago ou a que é oferecida pelo cartão de crédito comum. Por isso, precisa pesquisar bem o quanto está a cotação do dia. Terceiro, você paga menos IOF.

Para saber mais sobre os cartões multimoedas, leia este post. 

3. Western Union

Existe também a possibilidade de envio de dinheiro pela Western Union. Eu nunca usei, mas no Chile existem mais de 100 pontos para a retirada e troca de dinheiro. E você só precisa do seu documento para enviar ou retirar. Você pode depositar no Brasil e retirar no Chile, pagando as taxas aplicadas por eles.

4. Cartão de crédito: saiba os cuidados 

Muita gente está acostumada a levar o cartão de crédito para viajar e gastar em hotéis, restaurantes, lojas e até passeios.

Mas para isso é preciso ter um cartão com a função de compras no exterior e estar desbloqueado para uso internacional. 

Geralmente, os cartões são meios de pagamento normais em estabelecimentos comerciais por aqui. A vantagem do cartão é que você não precisa movimentar dinheiro e é mais seguro.

De qualquer forma, você vai precisar de pelo menos alguns pesos chilenos para pagar táxi, comprar água ou pequenos lanches. 

A desvantagem é a cobrança de taxas. Para compras no exterior, é aplicada uma taxa de 6,38% (IOF) sobre o valor utilizado e o banco ainda convertido pelo dólar praticado por ele.

Já para os saques em dinheiro, você paga uma taxa fixa de CLP$ 3.000 por saque (R$ 18), que pode ser realizado em caixas eletrônicos com a marca Redbanc.

5. Vale a pena levar dólar?

Muita gente me faz essa pergunta e respondo que depende da cotação. Geralmente aconselho trazer real porque eu acredito que seja mais fácil do que ficar fazendo várias conversões. E a diferença não é tão grande. Além disso, temos que colocar na conta as taxas para fazer a troca. Eu sempre penso que quando precisa fazer dois câmbios já sai perdendo, então é bom avaliar se realmente vale a pena. Aqui eu explico como fazer as contas.

6. Você sabe o que é IVA?

IVA é a sigla para Impuesto al Valor Agregado, que incide sobre a comercialização de bens e serviços. Isso quer dizer que, assim como ocorre no Brasil, você paga um percentual para o governo de tudo que compra aqui: comida, bebida, passeios, hospedagem.

O valor é de 19% e, você, turista, pode ficar isento desse imposto na hora de pagar a sua hospedagem. A minha dica é: antes de reservar o seu hotel, pergunte ou pesquise no site qual é a política para a isenção do IVA, já que cada hotel determina suas próprias regras.

Leia este post para entender melhor sobre o IVA no Chile.

Com essas informações você já pode escolher a melhor forma de levar dinheiro e pagar tudo na sua viagem para o Chile!

Leia também:

Tudo sobre o chip de celular no Chile

Bagagem de mão – o que é proibido!

Como escolher Seguro Viagem para o Chile

Perdi meus documentos no Chile. O que fazer?

 

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao comentar você concorda com nossa Política de Privacidade