Emergência ambiental em Santiago do Chile. O que é isso?

Muita gente não sabe, mas a capital chilena é bastante poluída.

Isso se dá ao fato da sua localização geográfica. Santiago fica entre a Cordilheira dos Andes e a Cordilheira da Costa, ou seja, a cidade é rodeada por altas montanhas e isso faz o ar não circular.

A situação piora no inverno (entre os meses de junho e setembro) por causa da inversão térmica – que é um fenômeno meteorológico, temperaturas baixas com montanhas altas, formam um teto que não permite a circulação das partículas contaminantes. No verão esse teto fica a mais de 1.000 metros de altitude e no inverno, com a inversão térmica, esse teto baixa para 200 a 300 metros do nível do solo.

Qual o resultado disso?

No dia 27 de junho de 2021, foi decretada a primeira emergência ambiental  em Santiago. Agora em 2022 ainda não foi decretado emergência, pois estamos com a qualidade do ar Regular, como se pode ver neste site do governo chileno.

Existe uma norma de qualidade do ar que é o  Índice de Calidad del Aire referido a Partículas (ICAP). É à partir desse índice que se define a qualidade do ar. Nesse mês de junho de 2021  foi decretado também alerta e seis pré-emergências. E vários medidas são tomadas, dentre elas, os alunos ficam suspensos das aulas de educação física no colégio.

As classificações do ar (ICAP) são as seguintes (em microgramas de partículas nocivas por metro cúbico):

  • Bom : 0 – 99
  • Regular: 100 – 199
  • Alerta: 200 – 299
  • Pré-emergência: 300 – 499
  • Emergência:  500 ou mais.

Definidos os níveis de qualidade do ar, as medidas a serem tomadas são as seguintes:

Em caso de alerta:

  • Suspensão das aulas de educação física (recomendação);
  • Proibição de uso de aquecedores à lenha em toda a Região Metropolitana;

Em caso de pré-emergência: 

Além das já citadas em caso de alerta, se somam as seguintes:

  • Rodízio de veículos de acordo com o final da placa, 2 dígitos. (ex: placas com finais 2 e 3)
  • Vias exclusivas para ônibus;
  • Paralisação das indústrias mais contaminantes;

Em caso de emergência:

Além das já citadas nos casos de pré-emergência, temos:

  • Rodízio de veículos de acordo com o final da placa, 4 dígitos. (ex: placas com finais 2, 3, 4 e 5).

Do alto dos Cerros San Cristóbal, Santa Lucía ou ainda do Mirante da Torre Costanera, é possível observar claramente uma linha que divide o céu limpo e azul e uma capa cinza que cobre toda a cidade.

Santiago com poluição

Santiago depois de um dia de chuva

 

 

Essa foto eu tirei no início de junho, lá do alto do Cerro San Cristóbal. Essa nuvem de fumaça diminui a visibilidade e provoca sensação de secura na garganta e irritação nos olhos – isso o turista sente ao chegar em Santiago. Nós que moramos aqui sentimos menos.

Dicas minhas para quem é turista:

  • Não tem muito o que fazer, além de tomar muita água. Lembrando que a marca de água que mais se parece com a nossa água brasileira é a Benedictino. As outras marcas possuem muito sódio, o que passa uma sensação de salgada.

Água com menos sais e mais parecida com a brasileira

  • Trazer do Brasil: sorine, rinosoro ou qualquer tipo de soro fisiológico para pingar no nariz;
  • Usar protetor labial porque os lábios provavelmente irão rachar pelo frio e pela secura do ar.
  • Se você quiser acompanhar a qualidade do ar de Santiago e saber os dias que serão decretados alerta, pré-emergência ou emergência, é só baixar o aplicativo aire Santiago. Ele informa inclusive as placas de carro que não podem circular. Dica importante para quem vai alugar carro, mas a informação só é passada no dia anterior, por volta da 20 horas.

 

Fonte: Governo do Chile – Ministério do Meio Ambiente 

Mais informações aqui

Foto da capa: T13

 

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ao comentar você concorda com nossa Política de Privacidade